Do passado, tenho recordações; do futuro, tenho só a esperança do reencontro.


No dia 17 de maio, depois de vários dias de trâmites burocráticos, aconteceu lá em Roma, na Igreja San Salvatore in Onda, o funeral do querido amigo e irmão, Pe. Jean Bertrand Etoundi SAC. 

Sim, um querido e muito próximo amigo... meu irmão de comunidade, que apesar da sua africanidade e de minha latino-americanidade, pelo amor a Jesus, pelo amor a São Vicente Pallotti e pelo amor à missão, ficamos tão próximos... 

Hoje (18/05) me vi paralisado, olhando as fotos daquele momento fúnebre e recordando... sim re-cor-dando, ou seja, dando de novo ao meu coração a graça dos bons sentimentos das experiências vividas juntos. 

Lembro-me de quando ele chegou a Roma e porque eu já estudava naquela que seria também a sua faculdade (ambos fizemos Missiologia na Pontifícia Universidade Urbaniana), fiquei responsável para introduzi-lo no ambiente acadêmico e por vezes, naquele período, ouvia dele o seu descontentamento em fazer aquele curso. Eu tentava persuadi-lo e ele afirmava desejar fazer outra especialização. Alguns dias depois, caminhando juntos para a faculdade, Jean Bertrand virou-se para mim e disse: “Você estava certo, meu amigo, a Missiologia é o meu curso! É o meu curso! Encontrei-me!” E desde então, ele passou a me cumprimentar daquele jeito africano, ou seja, encostando a sua testa na minha: era o sinal de que já não era um estranho, mas ‘um dos seus’... eu, branco como leite, era saudado pelo mais negro dos africanos que conheci... Ele me acolheu em seu mundo e cultura. 

Depois disso, Jean Bertrand fez questão de me levar para conhecer amigos dos Camarões, me fez provar diversas vezes a comida de seu povo e até num jantar oficial da embaixada daquele país ele me levou. E ficou ali, ao meu lado, apresentando-me a pessoas importantes como o seu amigo e irmão missiólogo. Quanta grata lembrança! 

Outra situação que nos aproximou tanto foi quando fomos escolhidos para compormos a Comissão para a Juventude Palotina Mundial. Éramos cinco padres de diversos países. Trabalhamos juntos em alguns projetos e na Jornada Mundial da Juventude aqui no Rio de Janeiro, tive a alegria de recebê-lo em casa e participarmos juntos de diversas atividades daquele grande evento. Desta vez, fui eu quem lhe apresentei meus amigos e tantos sabores brasileiros, como o pão de queijo, o churrasco, o açaí e o guaraná. Quando nos despedimos no aeroporto, ele disse já estar ansioso para me receber lá nos Camarões... Ele agora me receberá nos céus! 

Jean Bertrand, jovem sacerdote palotino e entusiasmado com a vida, logo que defendeu sua tese doutoral em Missiologia foi convidado a assumir o Secretariado das Missões de nossa Sociedade, ao que logo me comunicou, alegremente, pedindo-me ajuda e apoio nos projetos que aquela mente criativa já pensava; poucos anos depois, outro grande acontecimento: fora eleito Conselheiro Geral, compondo o atual governo junto a pessoas importantes de nossa comunidade. Nesta ocasião fui eu quem logo lhe escrevi parabenizando-o e colocando-me em oração por aquela tão grande responsabilidade. 

Enfim, em um texto sobre a morte lido há tempos, o escritor comparava a hora da morte com a hora certa do agricultor colher, no pé, as frutas... Certo: a fruta no pé precisa ser colhida à hora certa, nem cedo demais – o que a renderia sem sabor – nem tarde demais – correndo o risco de apodrecer. O agricultor atento sabe a hora mais doce da fruta para que ela seja colhida e assim, melhor saboreada. De fato, Deus – o Divino Agricultor – nos colhe à hora certa, chamando-nos para si na melhor fase de nossas vidas... Ele não nos chama antes, numa hora que não estaríamos preparados; nem nos colhe depois, correndo o risco de nos perder... 

Jean Bertrand foi colhido na melhor de suas fases, na hora certa de sua doçura e maturidade. Era a sua hora. A hora de Deus em sua vida. Tinha celebrado um dia antes os seus 15 anos de sacerdócio e tinha pedido, na hora da homilia, que seu coração sacerdotal não fosse forjado nos moldes das expectativas humanas, mas nas medidas claras do Coração Sacerdotal de Jesus. Era este o sinal de que já estava pronto! 

Sim, Jean Bertrand, meu amigo africano, de coração e vida missionários, você já foi recolhido no regaço da Divina Misericórdia... era a sua hora, a sua melhor hora... Te peço, meu irmão, que interceda por mim, para que eu, também amadureça e na melhor hora de minha vida, seja colhido e recolhido em Deus. Até logo, meu irmão... (com um toque testa à testa, olhos nos olhos e sorrisos grandes nos lábios).

Pe. Daniel Luz Rocchetti, SAC - Reitor do Seminário Maior Palotino (RJ)  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Formação Jovem Palotina 2017

Sobre a causa dos santos da família palotina