quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O Diácono Rafael se formou!!!

          No último sábado (18), a comunidade dos Padres e Irmãos Palotinos da Região Mãe da Misericórdia rendia graças a Deus pelo êxito da conclusão do curso de Bacharelado em Teologia do nosso confrade, Diácono Rafael Moura SAC, na Faculdade São Bento do Rio de Janeiro.

          Inicialmente, participamos da Missa Solene de formatura, no qual formandos, professores, parentes e amigos se faziam presentes neste momento ímpar para os estudantes.
E, de fato, as palavras do Evangelista Mateus se faz concreta, quando diz: "Muito bem, servo bom e fiel; já que foste fiel no pouco, eu te confiarei muito. Vem regozijar-te com teu senhor" (Mt 25, 21).

          Louvamos e bendizemos a Deus pela ótima conclusão de nosso confrade em sua atividade acadêmica. Nossa comunidade se rejubila e reconhece todo esforço feito para chegar a este ponto. Nossa Ratio Institutionis ensina-nos: "a formação intelectual teológica e a vida espiritual, em especial a vida de oração, se encontram e se reforçam reciprocamente, sem nada subtrair nem à seriedade da pesquisa, nem ao sabor espiritual da oração.". Parabenizamos nosso confrade e todos os demais formandos pela conquista.
          Queremos, também aqui, render homenagem ao Professor Carlos Engemann, este que foi um ícone para seus alunos, professor dedicado e generoso, não medindo esforços para corresponder às necessidades de seus alunos. De fato, um íntegro educador. Mesmo com a sua ausência, cativou-nos e está guardado em nossas memórias. Agradecemos toda dedicação que teve para com a Instituição e à educação.

         







          Nossa comunidade se alegra também com o reconhecimento do trabalho de nosso outro confrade, Pe. Francisco Marques SAC. Este foi escolhido como Professor Paraninfo da turma de Bacharelado em Teologia. Assim, parabenizamos-lhe pela dedicação a este apostolado. Desejamos perseverança neste trabalho tão profícuo para os estudantes de teologia.


          Parabéns, Diácono Rafael! Que Deus te abençoe e te guarde e Nossa Senhora, Rainha dos Apóstolos, te inspire na dedicação ao apostolado a ti confiado. Evidentemente, todo esforço dedicado a esses anos de formação são reconhecidos e nenhum tempo desses dias foram em vão. A sua conquista é uma alegria para nossa comunidade e de grande valor para todo o povo de Deus.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Beata Elisabetta Sanna, uma deficiente que se tornou apóstola


          "Todos os fiéis cristãos são, pois, convidados e obrigados a procurar a santidade e a perfeição do próprio estado” (Lumen Gentium, nº 41). Esse ensinamento da Igreja reforçado pelo Concílio Vaticano II é testemunhado na vida da Beata Elisabetta Sanna, que mesmo na condição de vida em que se encontrava como esposa, mãe, viúva, leiga empenhada no Apostolado Católico, analfabeta, deficiente desde a infância, levou uma vida de santidade e de vivência da sua vocação ao apostolado de Cristo e da Igreja.
          Elisabetta Sanna nasceu num lar católico em 23 de abril de 1788, sua mãe Maria Domenica e seu pai Salvatore Sanna eram pessoas de profunda vivência cristã. Empenhados na vida da pequena comunidade de Codrongianos, na ilha italiana da Sardenha. No final do século XVIII, a Itália sofreu uma forte epidemia de varíola que atingiu gravemente a pequena Elisabetta com apenas 3 meses de vida. Ela passou por um “procedimento cirúrgico” que lhe retirou os nervos dos braços, travando-os na altura do peito, só tinha o movimento dos pulsos e dos dedos. Apesar desta grave deficiência, ela nunca lamentou, dizia que era obra da misericórdia de Deus na sua vida.
          Elisabetta queria consagrar totalmente sua vida a Deus. Pensava em ser monja, no entanto, seus pais e seu diretor espiritual a proibiu. Ela sempre obediente acatou suas ordens e buscou a vida matrimonial. Com 19 anos veio a casar-se com Antônio Maria, homem bom e temente a Deus, com quem teve sete filhos dos quais sobreviveu apenas cinco. Levavam uma vida familiar exemplar, num lar onde reinava o amor a Deus e ao próximo. Seu marido dizia com frequência aos amigos “minha mulher não é como as vossas. Elisabetta tem todas as características de uma mulher santa...”. Com certeza, na vida matrimonial, Elisabetta tinha tudo para ser santa, no entanto, Deus tinha outros planos para a sua vida. Seu esposo veio a falecer no ano de 1825, caindo sobre ela toda a responsabilidade de sustentar e cuidar dos filhos. Deficiente, ela não conseguia muitos serviços para ganhar o necessário para o sustento de sua família. Seu irmão que era padre, Pe. Antonio Luís, passou a ajudá-la no sustento de sua família e na educação de seus filhos. Estabilizando um pouco a sua vida e a de sua família, surgiu no coração de Elisabetta uma inquietação quase incontrolável de “arriscar tudo pelo Tudo”. Durante as pregações quaresmais sentiu-se atraída para conhecer os “lugares banhados pelo sangue do Redentor” e decidiu partir em peregrinação para a Terra Santa. Acompanhada de seu diretor espiritual Pe. José Valle partiram de Codrongianos até a Ilha de Chipre onde foram barrados por falta de visto no passaporte, decidiram esperar a resolução do problema em Roma, a viagem da Ilha de Chipre para Roma durou cerca de 15 dias em carroça e a pé, entre fome, sede e o sol quente do verão europeu. Uma verdadeira aventura, sobretudo para uma deficiente.
          Chegando a Roma, Elisabetta conseguiu um quartinho para morar e o Pe. José Valle se tornou capelão do hospital de Santo Espírito. Elisabetta não sabia falar italiano, somente o dialeto da sua terra natal, o sardo. Apesar disso, ela mantinha sua vida de católica zelosa participando de missas e procissões, fazendo adorações ao Santíssimo Sacramento, novenas, via sacra, a reza do santo rosário, obras de caridade e visitas aos doentes e aos pobres. Por várias vezes, tentou voltar para a Sardenha, no entanto, sempre caía enferma nas vésperas da viagem até que foi proibida pelo médico que cuidava dela de empreender tal viagem. Ela entendeu que sua estadia em Roma, terra dos mártires, não era por acaso e sim que Deus tinha um plano para sua vida nesta cidade.
          Na cidade de Roma existia um padre com grande fama de santidade, seu nome era Pe. Vicente Pallotti, seu encontro com a Beata se deu do seguinte modo: Elisabetta estava num certo dia seguindo uma procissão que partia da Basílica de São Pedro, em profundo espírito de oração e de contemplação, não se deu conta de que a procissão já havia acabado, quando percebeu viu-se sozinha e perdida. Ela não sabia como se comunicar, pois ninguém compreendia o dialeto sardo naquele local, foi então que caiu em prantos diante de uma certa igreja. De repente aparece um padre na frente da igreja, que foi até ela e fixou o seu olhar nos olhos dela e aquele olhar lhe transmitiu tranquilidade e coragem, sem dizer nada, ele a conduziu até a Praça de São Pedro e foi embora. Aquele encontro não foi por acaso, a Providencia Divina tem suas maneiras de agir e levou Elisabetta até São Vicente Pallotti, pois ela teria um grande papel na União do Apostolado Católico. Logo Pe. Vicente Pallotti se tornou seu diretor espiritual e confessor, e lhe deu grande ajuda no discernimento de sua vocação.
          Em 1835, Pe. Vicente Pallotti fundou a União do Apostolado Católico (UAC) e Elisabetta de imediato se tornou membro desta fundação. Fez do Apostolado Católico sua vida de tal modo que não era mais Elisabetta que vivia, mas era Cristo que vivia nela. Foi importante cooperadora nas missões da UAC e também na comunidade dos padres e irmãos da Sociedade do Apostolado Católico (SAC). Para Pallotti, Elisabetta deveria buscar a sua santidade no quotidiano da vida, não há movimento fantástico e místico sobrenaturais em sua vida. A santidade não se faz com espetáculos e sim com o amor que silenciosamente se dá no dia-a-dia.
          A beata Elisabetta Sanna veio a falecer no dia 17 de fevereiro de 1857, sete anos depois da morte de seu diretor espiritual São Vicente Pallotti (†1850) e foi enterrada na Igreja Mãe dos palotinos, Igreja Santíssimo Salvador in Onda. Morreu com fama de santidade e seu processo de beatificação e canonização deu início pouco tempo depois de sua morte. No dia 17 de setembro de 2016, ela foi beatificada e seu processo de canonização ainda está em andamento.
          Uma pobre leiga que se tornou apóstola. Uma mãe de família que se ergue como luz de contemplação. Uma deficiente que se torna santa, é certamente um dom precioso de Deus, justamente para a nossa sociedade contemporânea, envolta em um paroxismo hedonístico, que destrói a vida e pratica o culto do eu. Em uma sociedade que vê o sofrimento como uma maldição e uma deficiência como um fato intolerável e procura a libertação através da eutanásia e do suicídio; para uma sociedade, na qual a destruição dos não nascidos se torna um direito, a Beata Elisabetta Sanna, deficiente e sofredora a vida inteira, que vive para a alegria dos outros, é um raio de luz, que se abre como caminho para o desespero dos deficientes, dos marginalizados, dos abandonados. Para todos os sofredores, Elisabetta é um farol. Aquilo que pareceu uma condenação com esta camponesa, pode tornar-se instrumento de ressurreição, uma escada para o céu, através de uma privilegiada participação na redenção oferecida por Jesus Cristo, Filho de Deus, Redentor do Mundo, exatamente através de sua adorável Paixão.
Irmão Elson Carvalho SAC

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Abertura do Ano Acadêmico

          Ontem (13), houve a abertura do ano acadêmico da Faculdade São Bento do Rio de Janeiro. Esta instituição de ensino já acolhe nossos formandos palotinos por vários anos. Desde já, expressemos nosso carinho e gratidão aos irmãos beneditinos pela acolhida.

          Primeiramente, participamos da Santa Missa na Igreja Nossa Senhora de Monserrat, presidida pelo Abade Dom Felipe, no qual nos dirigiu palavras sábias de incentivo e perseverança. Vale ressaltar suas palavras referente a Sagrada Escritura quando Deus se dirige a Adão e pergunta: "Onde estás?" (Gn 3, 9) e o versículo que Deus questiona Caim sobre seu irmão: "Onde está o seu irmão Abel?" (Gn 4, 9). Ambas passagens relata o aspecto relacional, destaca Dom Felipe, a primeira, a relação do homem com o Deus e a segunda entre eles em si, isto é, a relação com o próximo.


          A Ratio Institutionis da Sociedade do Apostolado Católico nos diz sobre a dimensão intelectual dos fomandos:
"O atual fenômeno do pluralismo no âmbito, não só da sociedade humana mas também da comunidade eclesial, requer uma especial atitude de discernimento crítico e revela a necessidade de uma formação intelectual séria. Segundo Pallotti 'não basta que o clero seja santo, deve ser também douto'. De fato, o compromisso com o estudo não pode ser componente exterior e secundário do crescimento humano, cristão, espiritual e vocacional do futuro Sacerdote ou Irmão palotino. Mediante o estudo da filosofia e das ciências modernas, que têm como objetivo o mundo, o homem, e a cultura, e, principalmente, através do estudo da teologia, ele cresce na sua vida humana e espiritual e se dispõe a cumprir a sua missão apostólica."
          Posteriormente a Santa Missa, tivemos a aula inaugural com o Pe. Júlio Cesar da Arquidiocese de Niterói, em que explanou sobre o tema da Sagrada Escritura e os Padres da Igreja.
          Rendemos graças a Deus por mais um ano acadêmico. Que Deus nos conceda todas as graças necessárias para nos empenharmos cada vez mais nos estudos. Unamos a São Tomás de Aquino pedindo a intercessão nesta oração pelos estudos:
"Criador inefável, que, no meio dos tesouros da vossa Sabedoria, elegestes três hierarquias de Anjos e as dispusestes numa ordem admirável acima dos Céus, que dispusestes com tanta beleza as partes do universo, Vós, a Quem chamamos a verdadeira Fonte de Luz e de Sabedoria, e o Princípio supereminente, dignai-Vos derramar sobre as trevas da minha inteligência um raio de vossa clareza. Afastai para longe de mim a dupla obscuridade na qual nasci: o pecado e a ignorância.
Vós, que tornais eloquente a língua das criancinhas, modelai a minha palavra e derramai nos meus lábios a graça de vossa benção.
Dai-me a penetração da inteligência, a faculdade de lembrar-me, o método e a facilidade do estudo, a profundidade na interpretação e uma graça abundante de expressão.
Fortificai o meu estudo, dirigi o seu curso, aperfeiçoai o seu fim, Vós que sois verdadeiro Deus e verdadeiro homem, e que viveis nos séculos dos séculos. Amém."

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Consagração Palotina - 2017

          "Para a maior glória de Deus, da bem-aventurada Virgem Maria, Rainha dos Apóstolos, de todos os Anjos e Santos, e para a maior santificação de minha alma e do meu próximo..."
A partir destas palavras que Bruno Gonzales, Marcelo Rodrigues e Elson Carvalho fizeram a sua Primeira Consagração na Sociedade do Apostolado Católico.
          A Celebração Eucarística aconteceu no Santuário da Divina Misericórdia - Vila Valqueire, no dia 02 de fevereiro de 2017, dia em que comemora-se a festa da Apresentação do Senhor.

"Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. E, por eles, a mim mesmo me santifico, para que sejam santificados na verdade" (Jo 17, 18-19)

          Pela nossa consagração doamo-nos totalmente a Deus e decidimos seguir Cristo, de acordo com a forma de vida estabelecida pelo Direito da Sociedade. Por isso prometemos à mesma: castidade, pobreza, obediência, perseverança, comunhão de bens e espírito de serviço. Respondemos, assim, à vocação que nos foi participada, isto é, de viver para Deus e dedicarmo-nos em comunhão fraterna ao serviço dos homens e do mundo.


    
          "Para imitar a nosso Senhor Jesus Cristo, precisamos ter acima de tudo o seu espírito. Isto significa que todo o dinamismo interior da nossa alma deve ser semelhante ao do próprio Nosso Senhor Jesus Cristo, para que o imitemos também na ação exterior, que deve ser expressão autêntica da interior" (São Vicente Pallotti - OOCC, III, 38)

          
          Contamos com a presença dos pais e amigos dos consagrados. Agradecemos imensamente a Deus pela presença de cada um de vocês. Reconhecemos a importância de cada um em nossas histórias. E como nos exortava nosso superior regional, Pe. Estevão Lewandowski SAC, o valor e eficácia das orações pelas vocações.


          Nesta mesma celebração, ocorreu também, a renovação das promessas dos consagrados José Luiz, Bruno Bauer, Marco Antonio e Bruno Rodrigues. Estes ratificaram por mais um ano as promessas já realizadas, castidade, pobreza, obediência, perseverança, espírito de serviço e comunhão de bens.



          "A plena entrega na consagração não se contenta, na nossa vida e no nosso trabalho, com um mínimo exigido, mas encontra sua dimensão no amor incessante a Deus e aos homens." (Lei SAC)

          Toda a Família Palotina e a Região Mãe da Misericórdia se alegra por este dia, no qual novos membros aderiram a consagração a Deus pelo carisma de São Vicente Pallotti. Redemos louvores a Deus pela vocação de cada um. E imploramos as graças necessárias para corresponder ao chamado confiado.
          "Cantarei para sempre as misericórdias do Senhor. Cantarei para sempre as misericórdias de Maria. Meu Deus e meu Tudo" (São Vicente Pallotti)

sábado, 28 de janeiro de 2017

Retiro Anual dos Formandos - 2017

               Nos dias 23 a 27 de janeiro de 2017, ocorreu no "Cenáculo Mãe do Divino Amor", o retiro anual dos formandos.
              Obtivemos a graça de ter conosco a presença do Pe. Josiel partilhando sobre a alegria na vida consagrada.
             Nesta semana houve muitos momentos reservados para silêncio, oração pessoal e comunitária, adoração, partilha e Eucaristia.


Nosso retiro foram abordados temas que compõe toda a vida de um formando (intelectual, espiritual, humana, comunitária, carismática e apostólica).



Esse período também foi dedicado em preparação para a Primeira Consagração dos Noviços Bruno Gonzales, Marcelo Rodrigues e Elson Carvalho; e Renovação dos Consagrados Bruno Bauer, Bruno Rodrigues, José Luiz e Marco Antonio Gomes. 





"A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles que se encontram com Jesus. Com Jesus Cristo, nasce e renasce sem cessar a alegria " (Papa Francisco)

Nestes dias, testemunhados a importância, de fato, o que nos diz o salmista: "Oh, como é bom, como é agradável para irmãos unidos viverem juntos." (Sl 132). Deste modo, em nós, brota um sentimento de gratidão por tantas graças derramadas em nossa comunidade. 


sábado, 7 de janeiro de 2017

Nota de Falecimento - Pe. José Maslanska SAC


Pe. José Miguel Maślanka SAC
Local de Nascimento: Lodygowice – Diocese de Cracóvia – Polônia.



Datas importantes:
Nascimento: 20 / 09 / 1933
Consagração Perpétua: 05 / 07 / 1953
Ordenação Sacerdotal: 11 / 06 / 1959
Chegada ao Brasil (Rio Grande do Sul): março de 1971
Tornar-se membro da Delegatura Polonesa no Brasil: janeiro de 1985
Nova paróquia da Delegatura – Novo Airão: fevereiro de 1989
Jubileu de Ouro Sacerdotal: 2009 e 36 anos na paróquia em Novo Airão – AM. Falecimento: 06 / 01 / 2017



Pe. José Maslanska SAC foi grande missionário em terras brasileiras, principalmente no Amazonas. Cuidou muito bem das comunidades ribeirinhas, pastoreando-as com esmero e dedicação. Nos primeiros anos de Brasil, ele esteve vinculado à Província Nossa Senhora Conquistadora, mas depois compôs a Delegatura Polonesa, quando em 1973 outros compatriotas vieram atuar na Igreja do Brasil. Mas já estava apaixonado pelas águas e paisagens amazônicas e por isso, não deixou de trabalhar por lá nenhum ano se quer, até o dia em que, como ele mesmo dizia, “o Senhor viria ao seu encontro e ele seria arrebatado”.
No dia 06 de janeiro de 2017, dia em que a Igreja Universal celebra a Epifania do Senhor, a Luz de Deus se manifestou a ele, servo bom e fiel. Nesta data, especial para nós padres e irmãos palotinos, Pe. José Maslanka SAC encontrou-se para sempre com o Seu Senhor.


Na página do facebook da Paróquia Santo Ângelo, de Novo Airão-AM, vemos escritas as seguintes palavras: “É com muita tristeza no coração que hoje o nosso querido padre José foi para os braços do pai. Mas com a alegria imensa de que todos aqueles que o verdadeiramente o conhecia podem dizer que ele completou sua missão aqui na terra. Quantos batizados, primeiras comunhões e casamentos ele não fez aqui? Muitas pessoas ele ajudou.

E esse sim todos sabemos que amava Novo Airão.

Para não mais prolongar, a Paróquia Santo Ângelo anuncia que seu corpo chegará às 8h30min deste sábado, seu corpo será velado na igreja Matriz e a missa de corpo presente será as 15h (hora da misericórdia) seu sepultamento será logo após a missa, horário que não está/será definido por que haverá homenagens a este homem que muito fez por Novo Airão”.

E como é nosso costume, rezemos:


Ordenação Sacerdotal do Pe. José Maslanska 
(Na morte de um membro da Sociedade do Apostolado Católico)
L.: Confiamos hoje ao Senhor especialmente nosso irmão Pe. José Maslanska SAC que ele chamou deste mundo à sua presença.
T.: Escutai, ó Deus, as súplicas que vos dirige nossa comunidade, a partir da fé no Senhor Ressuscitado.
L.: e confirmai em nós a esperança de que, junto com nosso irmão Pe. José Maslanska SAC que chamastes deste mundo, vamos ressuscitar com Cristo para a vida nova. Por Jesus Cristo, Nosso Senhor.
T.: Amém.”

Rezemos Santas Missas e a oração do Santo Terço em sua intenção

Pe. Daniel Rocchetti SAC

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Ordenação Diaconal do confrade Rafael Moura de Oliveira SAC

"Aqueles que exercem bem o diaconato conquistam para si mesmos um posto de honra, bem como muita segurança fundada na fé em Cristo Jesus." (I Tm 3,13)




A Sociedade do Apostolado Católico muito se alegrou com a Ordenação Diaconal do Confrade Rafael Moura de Oliveira SAC, que aconteceu no último sábado (17/12) na Igreja de Nossa Senhora da Conceição - conhecida também como capela da fonte - em Itaipu, Niterói.


A Concelebração Eucarística foi presidida por Sua Excelência Reverendíssima, Dom José Francisco Rezende Dias, Arcebispo de Niterói, e concelebrada pelos padres Palotinos de nossa Região da Mãe da Misericórdia.



A Liturgia da Palavra da Missa de ordenação traz leituras apropriadas, donde são exaltadas as qualidades dos ministros que recebem de Deus os carismas para o crescimento de toda a Igreja.





Com o rito de Ordenação Diaconal, o seminarista Rafael Moura SAC ingressou na ordem clerical, naquela categoria de servidor do Evangelho que se iniciou  com os primeiros sete diáconos ao receberem a imposição das mãos dos próprios Apóstolos.


Alguns momentos marcantes da ordenação são: os propósitos do eleito, que interrogado pelo Bispo assume os compromissos de fidelidade na imitação ao Cristo servidor; de colaborador da Ordem Sacerdotal para o bem do povo cristão; de proclamar a fé conforme o Evangelho e a Tradição da Igreja; de guardar perpetuamente o celibato e de ser perseverante e fiel na oração da Liturgia das Horas, em comunhão com toda a Igreja.



Com as mãos entrepostas nas mãos do Bispo, a promessa de respeito e obediência ao Bispo Diocesano e ao legítimo Superior concluem os propósitos do Eleito.


Temos a prece litânica (ladainha de todos os santos), onde os presentes pedem que Deus derrame sua bênção sobre o eleito, que se prostra em sinal de súplica.

 
Pela imposição das mãos e Oração Consecratória, o Bispo confere ao eleito a ordem do diaconato.




O Neo-Diácono é revestido com estola e Dalmática (veste própria dos diáconos).



A entrega do Livro dos Evangelhos tem um duplo significado: o acolhimento da palavra que o Diácono se torna mensageiro; a  busca pela conformação da vida ao que essa mesma palavra ensina.


Expressando a união no Sacramento da Ordem e em forma de acolhida, o Bispo saúda o Neo Diácono.


A Ordenação de mais um Diácono é uma alegria para a comunidade da qual ele faz parte e para toda a Igreja, pois aprendemos que do Cristo, servo obediente e cheio de misericórdia, brotam todos os ministérios; e Ele mesmo, escolhendo os dispensadores dos dons divinos, reveste-os com variedade de dons e carismas para edificar a Igreja.




O Diaconato, nesse caso chamado de transitório porque precede ao Presbiterato, é o primeiro grau do sacramento da Ordem. 


Nos agradecimentos, ao final da celebração, o agora Diácono Rafael Moura SAC convidou a todos os presentes a rezar pelas vocações religiosas, em um gesto significativo.


Rezemos também nós pelo nosso novo Diácono, pelas vocações sacerdotais, religiosas e missionárias e pelo crescimento da Igreja de Cristo.