domingo, 13 de agosto de 2017

O dom da paternidade

          Neste domingo, dia 13 de agosto, comemora-se, civilmente, o dia dos pais. E nossa comunidade quer dedicar um pequeno momento para partilhar sobre a questão da paternidade.
          A paternidade é dom de Deus, no qual Ele confia ao homem a educação, no amor. Algum tempo atrás, o dia dos pais era comemorado no dia dedicado a São Joaquim, pai da Virgem Maria. Uma vez que ele era uma figura de paternidade, que ao longo do tempo foi trocado a data por motivos comerciais, e a figura de São Joaquim, destacou-se mais com a função de avô, o que não deixa de ser pai também. Tornando-se, assim, São José o exemplo singular da paternidade.
          São José também está incluso na história da salvação. Deus ao enviar seu Filho ao mundo, pensou e preparou aquele no qual seria o Seu pai adotivo. São José é pai de Jesus Cristo desde do coração de Deus. O Espírito Santo modelou o coração de São José, um coração paterno. Já na concepção de São José, Deus pensou para ele essa missão de ser pai, e mais, ser pai do Filho de Deus. Quão graça teve São José nesta tamanha missão.
          Confiamos a Deus, nossas preces, por intercessão de São José a vida e vocação de nossos pais. O dom da paternidade não se reduz somente a geração da vida, mas sim tornar-se exemplo e canal do amor de Deus. O maior presente que um pai pode dar ao seu filho é uma boa base religiosa. Esses que Deus confiou o dom da paternidade, sintam-se impelidos pelos dons do Espírito Santo para a educação de seus filhos. 
          E neste mesmo espírito, dedicamos um momento àqueles que foram chamados a ser pai de muitos. Homens que foram separados por Deus para serem celibatários, mas não deixando de ser pai. Pai este, não biológico, mas sim espiritual. A paternidade espiritual é dom de Deus no qual educam seus filhos para a vida espiritual. 
          Esses homens que doam sua vida numa profunda intimidade com a Santa Igreja e com ela, geram vidas. Padres que estendem as suas vidas não mais somente a Cristo, mas também à Igreja. Homens que venderam todos os seus bens para comprarem o terreno que possui o tesouro, e tal tesouro não reservam somente para si, mas torna-se disponível cada dia aos demais. A paternidade espiritual é um fiel compromisso e não uma função. Ela não deixa o homem quando se completa as horas de trabalho, mas se perpetua ao longo da sua vida de pastor. O pai espiritual se esforça para edificar-se e assim transbordar a graça de Deus àqueles que Deus o confiou. Como diz São Vicente Pallotti, não podemos ser indiferente à santificação do próximo. O pai espiritual se sacrifica para auxiliar seu filho no crescimento espiritual. O olha como dádiva de Deus e deseja orientá-lo de volta a Ele. Todo sacrifício é válido para conduzir o filho a Deus. E como diria São Paulo, e que repetiu por muitas vezes São Vicente Pallotti: "A caridade de Cristo nos impele". Nada se torna difícil para aquele que ama. 
          Que Deus abençoe todos aqueles que foram confiados esta paternidade espiritual. E cada religioso se sinta impulsionado também a essa graça divina. Permitindo modelar-se pelo Espírito Santo e assim ser verdadeiras pontes que levam seus filhos a Deus. E Nossa Senhora, Rainha dos Apóstolos, nos acompanhe nesta educação espiritual e aproximarmos mais de Deus. 

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

     
          Nesse final de semana, dias 29 e 30 de julho, aconteceu na Paróquia Santa Isabel Rainha de Portugal, em Bento Ribeiro, a 3ª Missão Palotina. O tema da missão desse ano foi "Donde me vem esta honra de vir a mim a mãe do meu Senhor?" (Lc 1, 43).
          A missão contou com a participação de crianças, jovens e adultos de várias Paróquias Palotinas, como as de Itaipuaçu, Pendotiba, Itaipu, Vila Valqueire, da Paróquia Nossa Senhora dos Navegantes e Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças além dos integrantes da comunidade da Santa Isabel e outras paróquias diocesanas. Os participantes da Missão Palotina, participaram de várias atividades, formação própria para o missionário, seja ela espiritual e prática, a missa de envio, adoração e o momento mais aguardado que era o de visitar as residências.
          Foram visitadas diversas residências nos arredores da Paróquia, onde os missionários, cheio de amor em seus corações e inspirados pelo Espírito Santo, foram ao seio de várias famílias, das mais diversas religiões, levar – a todos que quiseram ouvir – a Boa Nova: que Jesus Cristo vive e ama a todos nós! Findo as atividades da Missão Palotina, no domingo à noite com a Missa de encerramento as 18:30h, aonde compareceram também a este momento pessoas que tiveram suas casas visitadas.
          Os participantes do evento ressaltaram a importância de atividades como essa para que seja reacendido e fortificado o carisma palotino dentro de cada um de nós, que significa crescer em fé e em caridade para com o irmão, sempre buscando o auxílio de Deus no nosso dia-a-dia, da mesma forma que nos ensinava nosso querido São Vicente Pallotti.
          A 4ª Missão Palotina já tem previsão de data e local, sendo escolhida, através do intermédio do Espírito Santo, a comunidade de Itaipuaçu para receber os missionários no mês de julho de 2018. 

quinta-feira, 15 de junho de 2017

São Vicente Pallotti e a espiritualidade eucarística


Neste dia em que celebramos a solenidade de Corpus Christi, queremos acrescer a nossa espiritualidade eucarística à luz da espiritualidade de Nosso Santo Fundador, São Vicente Pallotti.

São Vicente tinha a certeza que sem Jesus, nada podia fazer. Sem sombra de dúvidas, em meio a um tempo conturbado no qual viveu, foi Jesus na eucaristia, o seu sustento.

Apesar de ser um sacerdote atarefado, ser responsável de várias frentes de pastoral, ele sempre encontrava tempo para o momento precioso, estar diante do Altar, em oração. Teve vezes que se perdeu no horário e foi noite adentro diante do sacrário.

Desde pequeno, os pais de Pallotti incutiram em seu coração o amor e zelo pela eucaristia. Todos os dias, sua mãe o conduzia às diversas igrejas, do centro de Roma, para adorar Cristo na eucaristia. E assim foi ao longo da sua vida. Na Igreja do Espírito Santo, onde trabalhou por 12 anos, Pallotti abriu uma janela, em seu quarto, para que assim pudesse contemplar o Cristo no sacrário. Trazia consigo uma estampa do Santíssimo Sacramento, que durante o caminho que fazia, dava beijos em sinal de adoração.

O que São Vicente Pallotti tinha para tanto falar com Jesus? Ele reconhecia, antes de tudo, que era amado por Deus. E isso bastava para passar tanto tempo diante do Senhor. Pois quando amamos alguém e somos amados, a hora passa e não percebemos. E queremos mais. Pallotti percebia a sua dependência a Deus. E costumava dizer, “sou nada e pecado” e Deus é Tudo.

“Deus se fez homem e ainda alimento para minha alma, quer nutrir-me com todo seu ser, com sua essência e natureza divina, com todos seus atributos infinitamente misericordiosos”, dizia Pallotti. Pedia perdão, por perder tanto tempo com outras coisas e não adorar a Deus.

As grandes inspirações de São Vicente Pallotti normalmente eram recebidas por ele no momento de ação de graças, após a missa. Uma delas é a fundação da União do Apostolado Católico, em 1835. A Família nasce dessa experiência eucarística.

Bendizia a Deus por dar-nos Jesus na Eucaristia, fazer-nos próximos. “Oh, Incompreensível invenção amorosa do
Pai das misericórdias”. Através da Eucaristia, podemos unir-nos a Jesus Cristo e assim melhor relacionarmos, impulsionando-nos à Sua imitação, uma vez que somos a Sua Imagem e Semelhança.

São Vicente dizia: “Se faltar a eucaristia, não receberemos nunca a garantia do paraíso”. E se questionava: Como me preparo para celebrar a eucaristia? Como a celebro? Que tipo de sentimento esse sacramento me proporciona? Como poderia eu ficar longe do sacramento eucarístico? Essas perguntas são úteis para verificarmos como anda a nossa vida espiritual também.

Nosso Fundador, a partir da sua experiência com o sacramento da eucaristia nos ensina: uma comunidade só se manterá unida e seu testemunho será eficaz na medida em que viver da eucaristia.

A vida de Pallotti era intensamente eucarística. O sacramento da eucaristia era o ápice do seu dia, o ponto central. Todas as atividades giravam entorno da celebração da eucaristia, o que fazia antes era em preparação à eucaristia e o após, ação de graças por tamanho dom recebido.

E diante do Santíssimo Sacramento, São Vicente Pallotti reconhecia que para imitar Jesus iniciava em segui-Lo, como diz a passagem de São Mateus 16, 24: “Quem quiser vir após mim, tome cada dia a sua cruz e me siga”. E o que transmitimos é o que ouvimos e aprendemos na experiência diária (1Jo 1,3).

Que esta perseverança diante da presença de Jesus na eucaristia nos ensine serem apóstolos incansáveis. E a partir da experiência eucarística, sejamos reflexos do rosto de Jesus em nossos atos, porque palavras sem testemunho são vazias e estéreis, não alcança ninguém.




segunda-feira, 12 de junho de 2017

Memória dos Beatos Mártires Palotinos

          Hoje, a família palotina está em comemoração. Celebramos a memória dos beatos mártires palotinos, Józef Jankowski e Józef Stanek. 

          Peçamos as graças de Deus através da intercessão desses beatos:


          Beato Józef STANEK (1916-1944)

          Senhor Jesus Cristo, vencedor da morte, do inferno e de santanás, te redemos graças pelos dons do amor e da fortaleza que brilhou no teu servo Józef, fiel a vocação na perseguição e no martírio. Te rogamos que este testemunho seja para nós modelo no serviço cotidiano aos irmãos, e por sua intercessão, concede aquele graça que fervorosamente te pedimos... Jesus, Bom Pastor, que nos amou até o fim, escuta-nos! Amém. 

         



 Beato Józef JANKOWSKI (1910-1941)


          Deus Onipotente e Misericordioso, Tu chamaste o nosso irmão sacerdote Józef a seguir Teu Filho na missão apostólica do Bom Pastor e concedeu-lhe dar o mais alto testemunho de amor, confirmado no martírio. Agradecemos pelo dom de tal testemunho e te pedimos: dai-nos crescer continuamente no amor evangélico e, pela intercessão do Teu servo Józef, concede aquela graça que fervorosamente Te pedimos... Jesus, Apóstolo do Eterno Pai e Bom Pastor, escuta-nos! Amém. 




          Rendemos graças pelos mártires Józef Stanek e Józef Jankowski que confessou o nome do Senhor e derramou vossos sangues como Cristo. Dai-nos a Vossa misericórdia para nos sustentar em nossa fragilidade e nos dê coragem para sermos testemunhas de Jesus Cristo, assim como vossos mártires. Tudo para a santificação de nossa alma e a do próximo. 

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Romaria a Aparecida

         

          Nesta última terça-feira (6), o Seminário Maior Palotino, juntamente com os demais membros da Região Mãe da Misericórdia foram em peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida.
          Neste ano jubilar Mariano, no qual celebramos os 300 anos da aparição de Nossa Senhora no Rio Paraíba do Sul, os palotinos do Rio de Janeiro reservaram este dia para ter um momento de espiritualidade, devoção e fraternidade.

          No Santuário, celebramos a Santa Missa e em seguida tivemos a recitação do Santo Terço diante da Imagem de Nossa Senhora Aparecida. Este ato de devoção foi propício para consagrar, pelas mãos da Bem Aventurada Virgem Maria, toda a Região Mãe da Misericórdia e seus projetos de apostolado.

          Posteriormente, tivemos momentos de convivência e partilha fraterna. Visitamos ao Cine Aparecida, conhecendo um pouco mais da História de Nossa Senhora e o Museu de Cera, retratando alguns episódios da aparição.

          Rendemos graças a Deus por nos proporcionar estes momentos de fraternidade, espiritualidade e união. Que Nossa Senhora Aparecida nos inspire ao novo ardor apostólico e São Vicente Pallotti, a devoção mariana. Deus abençoe todos os membros da Região Mãe da Misericórdia e que tudo seja para a infinita glória de Deus.   


domingo, 4 de junho de 2017

Rainha dos Apóstolos

          Ontem (03), foi um dia muito especial para toda a família Palotina. Dia este que celebramos a nossa padroeira, Rainha dos Apóstolos. Iniciamos a comemoração deste dia com a oração das Laudes e posteriormente a Santa Missa Solene no Santuário da Divina Misericórdia.



          São Vicente Pallotti colocou a União do Apostolado Católico, desde a sua fundação, sob o patrocínio especial da Santíssima Virgem Maria, Rainha dos Apóstolos. Pelos méritos e a intercessão da Imaculada Mãe de Deus, ele queria obter todas as graças e os dons necessários para uma frutífera participação na missão da Igreja, a fim de que todos os seus membros - sacerdotes, religiosos e fiéis cristãos leigos,  de cada estado e condição -, se dispusessem a perseverar unânimes na oração com Maria, a Mãe de Jesus. Todos tem nela um perfeito modelo da caridade e do zelo apostólico. A Santíssima Virgem Maria não participava de nenhum sacerdócio ministerial, mas cooperou de tal modo na obra de seu Filho que mereceu ser proclamada Rainha dos Apóstolos.

          No final do dia, tivemos início da Vigília de Pentecostes, que ocorreu na Paróquia Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças em Oswaldo Cruz. Foi uma noite de muitas graças derramadas. Deus reservou um momento muito especial para cada um de nós. Iniciamos com a celebração da Santa Missa presidida pelo Pe. Josiel SAC.



          Logo em seguida demos início a Adoração do Santíssimo Sacramento. Obtivemos momentos de louvor, pregação, oração e testemunhos. Vivemos, de fato, o Cenáculo, lá estava presente Nossa Senhora e o Espírito Santo, nos instruindo, educando, nos impulsionando para uma relação mais íntima com aquele que nos atraiu para aquele lugar. Como Pe. Josiel destacou, foi Deus que nos chamou para aquele momento. E ninguém saiu de lá sem essa certeza, sou amado por Deus. Tivemos a alegria e honra estar com Jesus durante a noite toda. Findando com a oração do Ofício das Leituras e Benção do Santíssimo Sacramento às 6h. Agradecemos e louvamos a Deus por todas as graças derramadas. Agradecemos ao Pe. Josiel e toda a comunidade da Paróquia Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças pelo carinho e acolhida. Agradecemos a Juventude Palotina que preparou esse encontro. E a cada um que se disponibilizou para estar esse tempo com Jesus. Que Deus seja a recompensa de seu zelo e seu amor. (São Vicente Pallotti)