domingo, 18 de setembro de 2016

26º Festival Palotino da Canção

Foi com grande entusiasmo que o Santuário da Divina Misericórdia sediou o 26º Festival Palotino da canção, no último dia 7 de setembro.

Nosso evento teve início logo pela manhã, com a acolhida dos peregrinos e sacerdotes vindos de diversas paróquias, a passagem dos fiéis pela porta santa e a Missa seguida de adoração ao Santíssimo Sacramento.










Após o almoço teve início as apresentações das bandas, conforme ordem estabelecida em sorteio.
A animação dos paroquianos se estendeu durante todas as apresentações e o evento foi concluído por volta das 18 horas, com apresentação da Banda Shekinah.




















Vale destacar o empenho dos membros de diversas pastorais e movimentos do Santuário, que trabalharam intensamente para promover esse evento, e também do padre Gilmar Simplício SAC, Reitor do Seminário Maior Palotino, que esteve coordenando os trabalhos.
O Objetivo de promover o melhor entrosamento e união entre as paróquias foi alcançado. Os músicos mostraram a alegria de participar. Quem participou já chegou ganhando.
A promoção do Festival esse ano no Santuário quis aproximar as nossas paróquias palotinas da espiritualidade da Misericórdia nesse ano do jubileu extraordinário.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Novena em preparação à beatificação da Venerável Elisabetta Sanna


Carta da Presidente do Conselho de Coordenação Geral da UAC:

Queridos irmãos e irmãs da União do Apostolado Católico,

Permito-me dirigir-me a todos e a cada um, alegrando-nos pela graça que o Senhor nos fez, chamando-nos como filhos/as de São Vicente Pallotti, para reavivar a fé e reacender a caridade neste tempo e, assim, levar todos à unidade em Cristo; para o bem da humanidade inteira  e a serviço a Igreja.
Como único corpo, inflamado pela caridade de Cristo que forma todo o substancial  constitutivo da nossa Família Palotina (Cf. OOCC III, 137-138), no dia 17 de Setembro de 2016, receberemos ainda um outro grande dom do Senhor: a beatificação da nossa mais que amada venerável Elisabetta Sanna, primeiro membro leigo que será elevado por decreto da Santa Igreja às honras dos altares.
Em gratidão a Deus e em reconhecimento a São Vicente Pallotti e à Venerável Elisabetta Sanna, o CCG da UAC deseja convidar as comunidades, as casas, os grupos, os membros individuais, os colaboradores, os amigos, os simpatizantes e cada cristão para fazer uma novena em preparação à beatificação, especialmente nos dias 8  à 16 de Setembro, e implorar abundantes graças do Senhor sobre Papa e  sobre a Igreja, sobre o  mundo inteiro e sobre nossa Família.
Pedimos à Elisabetta Sanna de estar conosco para rezar a novena e como ela poder dizer: "Toda sou de Deus, toda sou  de Jesus. Não posso mais viver longe de Deus.  Jesus é o meu coração, e eu sou de Jesus! ".
Maria, advogado e Refúgio dos pecadores, Rainha dos Santos, Mãe de misericórdia (cf. OOCC XIII, 187), rogai por nós!








Donatella Acerbi
Presidente do CCG da UAC







Novena:





A tão esperada beatificação da Venerável Elisabetta Sanna se aproxima. Será celebrada no dia 17 de Setembro de 2016, na Basílica da Santíssima Trindade de Saccargia. A primeira beatificação de um membro leigo da União do Apostolado Católico é uma grande alegria para toda a nossa Família Palotina. Agradecemos ao Senhor por esta beatificação e humildemente pedimos a Ele que nos abra para acolher as graças que Ele nos dará por esta  ocasião. Para prepara-nos melhor para  este feliz evento,   publicamos – como uso  privado - a novena em preparação para a futura beatificação.

Dados bibliográficos

Elisabetta Sanna nasceu em Codrongianos (Sassari) no dia 23 de abril de 1788. Três meses depois perdeu a capacidade de levantar os braços. Casada, criou cinco filhos. Em 1825 ficou viúva e fez o voto de castidade; era a mãe espiritual das meninas e das mulheres de sua terra. Em 1831, embarcou para uma peregrinação à Terra Santa; acabou chegando em Roma, e não pode retornar, devido à graves destúrbios físicos, dedicou-se inteiramente á oração e ao serviço dos doentes e pobres. Ela foi um dos primeiros membros da União do Apostolado Católico de São Vicente Pallotti, seu diretor espiritual. Sua casa se tornou um santuário de fé viva e ardente caridade. Morreu em Roma no dia 17 de fevereiro de 1857 e foi enterrado na Igreja de SS. Salvatore in Onda. Os testemunhos confirmam e esclarecem as palavras de São Vicente Pallotti, transcritas pelo padre Scapaticci e pelo padre Vaccari: "Dois são aqueles que levaram adiante o nosso Instituto: uma pobre viúva que é Elisabetta Sanna, como haveis mais vezes entendido do Pe. Vicente Pallotti, o outro é o Cardeal Lambruschini” Por este motivo a "pobre" Serva de Deus recebe o privilégio de ser enterrada na Igreja de SS. Salvatore in Onda, junto ao túmulo de São Vicente Pallotti. Quando morreu, a sua fama de santidade era (assim) tão grande que, apenas quatro meses depois de sua morte, foi nomeado o  postulador da sua causa de beatificação, com duração de mais de um século e meio. Foi declarada Venerável no dia 27 de Janeiro de 2014. O milagre que a levou, finalmente sobre os altares, aprovado pelo Papa Francis no dia 22 de janeiro de 2016 é a cura que ocorreu no dia 18 de Maio de 2008 - domingo do SS. Trindade - de uma jovem mulher brasileira (31 anos), Suzana Correia da Conceição, de uma atrofia muscular do braço e da mão direita com comprometimento funcional grave.

Oração inicial
Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, te agradeço por enriquecer de modo admirável a nossa irmã Elisabetta Sanna com sabedoria, conselho, e fortaleza. Por seus méritos,  te peço que me concedas a graça que desejo ardentemente ............................, conforme a tua Santíssima Vontade.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória ...
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Primeiro dia: esposa e mãe (8 de Setembro)
O desejo de Elisabetta desde jovem é aquele de se tornar irmã. Tendo perdido a capacidade de levantar os braços, não pensa em se casar, e ainda, aos vinte anos é pedida em casamento por muitos jovens. Assim, no dia 13 de setembro de 1807, aos 19 anos, ela celebra o casamento com um certo Antonio Maria Porcu, um verdadeiro e bom cristão de modestas condições. Antônio é marido e pai exemplar que ama a sua esposa e lhe dá total confiança. Aos amigos, de fato diz: "Minha esposa não é como as vossas, é uma santa"!

Elisabetta  dirá: "Eu não era digna de tal marido, ele era tão bom." Sua família é  modelo para todo o país. Nos anos seguintes, nascem sete filhos. Ela passa os dias entre a casa, a educação das crianças e no campo, onde trabalhou incansavelmente. Ela também encontra tempo para longas horas de oração na Igreja. Não tem medo das críticas por professar e viver a sua fé publicamente "Este meu temor de vida - responde - não me impediu de desempenhar os meus deveres de mãe de família." Ela mesma prepara os seus filhos para a Confissão e para a Comunhão e transmite-lhes um grande amor a Jesus, como a doçura, sem nunca usar modos bruscos. Uma verdadeira educação com o coração.

oração
Ó Deus, Espírito santificador, que amas a Igreja como tua Esposa, tu infondiste no coração da Venerável Elisabetta Sanna a chama do teu amor e o irradiaste na família, na Igreja doméstica. Te agradeço por este modelo de esposa e mãe, pelo seu encorajador e simples testemunho. Concede a cada mulher - esposa, mãe,  noiva e consagrada - a graça de ser presença que compõe cada família e cada comunidade em um Cenáculo de fé e de amor, em generoso empenho e santificante serviço.


Pai Nosso, Ave Maria, Glória ...
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Segundo dia:  viúva e esposa de Jesus Cristo (9 de Setembro)
Dos sete filhos, morreram dois em uma idade muito precoce. No dia 25 de Janeiro de 1825, seu marido Antonio, assistido por ela, morreu em idade jovem. Ficou viúva com cinco filhos, o maior com 17 anos e o menor com apenas três. Elisabetta se sente responsável não apenas da administração da casa e do trabalho no campo, mas sobretudo da educação espiritual e temporal dos seus filhos. Amadurecendo no caminho espiritual, Elisabetta em 1829, com a permissão do pregador franciscano, no tempo da  quaresma, padre Luigi Paolo de Ploaghe, faz voto de castidade. Ao seu confessor pede muitas vezes para lembrar que ela agora é uma esposa de Jesus Cristo.

Oração
Ó Senhor, Tu que consolastes Maria após a morte de José e tivéstes compaixão da viúva de Naim, dá-me a força para aceitar a minha solidão, sem perder-me em nenhuma tristeza. Como para a Venerável Elisabetta Sanna, dá-me  a tua paz, a tua força e a tua alegria para colocá-las a serviço dos  outros, com coragem. Em primeiro lugar, dedicando-me  à minha família e a todas  as pessoas queridas  ligadas a mim  que em Tua bondade me fizeste encontrar no caminho da vida, sabendo que cada dia me levas  mais perto do encontro definitivo contigo, com (meu marido - nome do  marido,  da  mulher, ou de outras pessoas que deseja)  e com todos os meus entes queridos. Amém.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Terceiro dia: peregrina (10 de Setembro)
Em 1829 chega em Codrongianos o jovem vice pároco, padre Giuseppe Valle. Torna-se o confessor e diretor espiritual da família Sanna, especialmente de Elisabetta. A vida cristã de Elizabetta torna-se ainda mais ardente. Durante os exercícios quaresmais em Codrongianos guiados pelo padre franciscano Luigi Paolo de Ploaghe,  o pregador, falou com muita eficácia da Terra Santa. Elisabetta, junto com algumas outras mulheres, foi até ele para saber mais, e ficou (muito) fascinada, nascendo assim o vivíssimo desejo de ver os lugares onde nasceu e onde foi crucificado o Filho de Deus. Ela se sente chamada a seguir Jesus mais de perto e pensa ir à Palestina e visitar os Lugares Santos. Nesta situação, nos primeiros meses de 1830  pediu permissão ao padre Giuseppe Valle para realizar a peregrinação. Padre Valle, depois de várias explicações, disse que não. Passados, porém, alguns meses e, em julho, Elisabetta voltou a ele, para obter a supirada permissão. Ele, após profunda reflexão e oração, deu o seu parecer favorável à viagem e decidiu-se a acompanhá-la. Os dois começaram discretamente a preparar-se e preparar as suas famílias para a viagem programada, na esperança que iria ajudá-los a crescer espiritualmente e a servir melhor os outros. Elisabetta tinha certeza de que sua mãe, que tinha 65 anos e o seu irmão padre Don Luigi, residentes em Codrongianos, assumiriam a responsabilidade de cuidar da família, durante a peregrinação. No final de Junho de 1831, juntamente com o padre Giuseppe Valle, eles embarcam para Genova. Lá, embarcariam de navio para Chipre. No último momento, porém, padre Valle descobre que não tinha o Visto para o Oriente. Então, com Elisabetta eles decidem ir a Roma, dizendo: "Também ali é Terra Santa." Assim, no dia 23 de julho de 1831 chegam em Roma. Esta viagem desde o início teve o caráter de peregrinação.

Oração
Ó Deus, sempre a caminho para encontrar o homem, tu infundiste no coração da Venerável Elisabetta Sanna, o desejo de ser peregrina. Te agradeço pelo seu testemunho encorajador. Dá-me a força e a coragem de caminhar sempre para alcançar-te e conhecer-te. Torna-me teu discípulo, é o objetivo de todo o meu caminhar na vida. Faze que aprenda a melhorar a mim mesmo guiado pelas palavras do Evangelho. Tudo o que conheci e aprendi, agora se torne patrimônio da minha existência, para que possa transmitir tudo através do testemunho de vida.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Quarto dia Colaboradora de São Vincente (11 de Setembro)
Em Roma, Elisabetta Sanna reside em um pequeníssimo apartamento perto da Basílica São Pedro. Em sua peregrinação às igrejas de Roma, com sede de oração, Elisabetta encontra na Igreja de Santo Agostino, um santo padre Romano, Vicente Pallotti. San Vincente, decide em 1832  acompanhar espiritualmente Elisabetta Sanna; Pallotti   escreve em  nome dela  uma carta ao irmão sacerdote explicando que  por motivos de saúde, ela não estaria em condições de retornar para a Sardenha mas que, se melhorasse, ela voltaria. A Serva de Deus, enquanto cuidava da saúde para se curar, colaborava com Pallotti com orações, conselhos e ajudava aos mais necessitados. Infelizmente, sua saúde piorava. Pallotti a sustenta no seu desejo de cura e no seu crescimento espiritual e também encontra para ela um pequeno trabalho com o Arcebispo Giovanni Soglia, futuro cardeal, na esperança de melhorar sua saúde. Quando pois, em 1838, o médico Petrilli escreve: "Sou da opinião de que, tendo que fazer outra viagem com o navio, poderia ir ao encontro a um pior infortúnio", Pallotti disse a Elisabetta: "Deus a quer em Roma." E a Serva de Deus permaneceu ali, até sua morte em 1857.

Oração
Ó Venerável Elisabetta, ajudai-me a tornar-me consciente de que a minha felicidade está em fazer a vontade de Deus. Te peço, Senhor, concede-me capacidade à minha mente de modo que possa aceitar tudo o que me acontecer e de fazer sempre - com o Tua ajuda - o melhor possível a cada dia segundo a Tua vontade. Tu podes ajudar– me  como fizestes com a Venerável Elisabetta – a estar a escuta de Ti e fazer sempre a Tua vontade. Amém

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Quinto dia: A deficiente que se tornou apóstola (12 de setembro)
Quando Elisabetta tinha apenas três meses, uma epidemia de varíola causou a morte de muitas crianças em Codrongianos e também ela foi atingida. Ela se curou da epedimia, mas permaneceu com os braços ligeiramente prejudicados e as articulações endurecidas. Isso não a impediu de crescer, aprendendo a suportar a sua deficiência, como algo natural e realizar todas as tarefas domésticas e também apresentando-se sempre ordenada e limpa. Não obstante a sua deficiência física, Elisabetta tornou-se colaboradora da União do Apostolado Católico, fundada por padre Vicente Pallotti em Roma. Quem se aproximava dela, dirá: "Via Deus em tudo e  adorava-O em todas as coisas. O amor de Deus era a sua vida. Aquilo que parecia ser um grande interesse, desaparecia de fronte ao interesse de Deus".  De fato, a Sanna dizia seguidamente: "Meu Deus, eu vos amo acima de todas as coisas."

Oração
Venerável Elisabetta, que com tanta paciência e com tanta confiança em Deus, suportaste as dores físicas da doença e os sofrimentos da contradição moral quando não pudeste retornar para a Sardenha, obtem-me esta mesma submissão aos sofrimentos de tal maneira que possa   viver sempre sob o olhar de Deus para tornar-me  dócil instrumento da Providência para a salvação das almas. Amém.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Sexto dia: A fé na vida cotidiana (13 de setembro)
Elisabetta recebeu uma educação cristã profunda na família, da qual fala claramente o seu irmão, padre Antonio Luigi. Ele nos informa sobre as orações feitas juntos em casa, a recitação do Rosário, a participação às funções eclesiais e da ajuda prestada aos pobres. Nesta atitude de fé e de oração, Sanna perseverou por toda a vida. Todos os testemunhos dizem que com ela se falava somente sobre as coisas espirituais. Quando se a visitá-la em seu quarto, a conversação se alternava entre instrução religiosa e orações. Em uma carta escrita a padre Giuseppe Valle no dia 18 de Maio de 1846, São Vincente confirmou o progresso espiritual da Serva de Deus com a seguinte frase: "Prossegue nas boas obras e espero que alcanse aquela perfeição à qual Deus deseja o Pai das misericórdias". Cada manhã ia até a Basílica São Pedro. A Basílica era a sua casa. Quando ela morreu, correu a voz: "Morreu a santa da Basílica de São Pedro".

Oração
Ó Venerável Elisabetta, ajuda-me a ser fiel aos meus deveres diários: ao dever da adoração que é a primeira necessidade para a minha vida espiritual; ao dever que me une ao próximo, aos deveres particulares da minha vocação, ao dever da caridade material e espiritual, consciente de que o diálogo com próximo é sobretudo na realização de meus deveres diários com espírito de fé e de caridade. Amém.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Sétimo dia: mãe espiritual (14 de Setembro)
Outro campo de realização da fé e do amor de Elisabetta foi aquele do aconselhamento espiritual. Ela tinha o dom do discernimento espiritual e o usava para ajudar as numerosas pessoas que recorriam a ela. Em seu pobre quarto, diante do quadro de “Nossa Senhora, Virgem Poderosa” (Virgo Potens), rezava com os seus hóspedes e dava a eles sábios conselhos. Mesmo o Cardeal Giovanni Soglia em certas coisas de sua consciência, ele a consultou. Pallotti mesmo, aconselhou-se com Elisabetta e orientou seus filhos espirituais a escutar a sua palavra. Por esta razão padre Rafaele Melia que conhecia muito bem Elisabetta, deu-lhe o título de " mãe premorosíssima " da União do Apostolado Católico, e padre Ignazio Auconi, seu sucessor no ofício de Superior Geral, confirmou que ela teve para com a obra de Pallotti, a preocupação e dedicação de uma mãe.

Oração
Ó Maria, Virgem Poderosa, ajudai nossas famílias e nossas comunidades, especialmente aquelas que lutam com dificuldade para viver a fidelidade, a unidade e concórdia! Ajudai as pessoas consagradas para que sejam um sinal transparente do amor de Deus. Ajudai os padres, para que  possam comunicar a todos a beleza da misericórdia de Deus. Ajudai os governantes  para que saibam procurar sempre e somente o bem da pessoa. Ó Virgem Potente, protegei a vida em todas as suas formas, idades e situações. Sustenta cada um de nós, para que a exemplo da Venerável Elisabetta Sanna saibamos discernir os caminhos de Deus e tornar-nos apóstolos entusiastas e credíveis do Evangelho.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Oitavo dia: Grande devoção à Eucaristia (15 de setembro)
Em Codrongianos, Elisabetta Sanna quase diariamente participava da Santa Missa. Em Roma, cada manhã, partivipava da missa na Basílica São Pedro e, se nã0 tinha outros compromissos, permanecia até o fim da última missa, porque estava convencida de que, com a Eucaristia, podemos dignamente render ao Senhor o que devemos a ele com adoração, louvor, agradecimento e oração. Ela também encorajava outros a participar da missa diáriamente. Ela, de modo particular adorava Jesus na Eucaristia nas Igrejas onde realizava "le Quarentone", isto é,  a adoração de quarenta horas, e onde ela permanecia por longo tempo em profunda adoração. Padre Valle disse que conseguia receber até sete bênçãos eucarísticas no mesmo dia. Aqui se verificam as palavras do Padre Melia sobre o  amor de Elizabetta para com Jesus no SS.mo Sacramento da Eucaristia: "Era assim tão devota e amante que haveria consagrado toda a sua vida à adoração contínua."

Oração (Oração de São Vicente Pallotti diante do Santíssimo Sacramento)
E vós Serafins, Querubins, Tronos, Dominações, Potestadess, Principados, Virtudes, Arcanjos, e Anjos venham visitar Jesus Sacramento, e para mim adorá-lo, agradecê-lo, e amá-lo; e vós também, os Santos Patriarcas e Profetas,  Apóstolos e Evangelistas, e os discípulos do Salvador, os SS. Inocentes, SS. Mártires, SS. Papas, Bispos, os Doutores, SS. Sacerdotes e levitas, SS. Confessores, Virgens e Viúvas, e vós todos os santos do Paraíso, venham todos visitar o nosso caro primogênito Irmão Jesus Sacramentado, primeiro, porém todos juntos rezemos à  augusta Mãe de Deus e nossa Mãe, que se digne em  conduzir-nos a visitar o seu divino filho no SS.mo Saramento Altar, e todos juntos agora e sempre adorá-lo, agradecê-lo, e amá-lo.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!

Nono dia: A serena esperança (16 de Setembro)
À profunda fé da Serva de Deus e ao seu ardente amor por nosso Senhor no Santíssimo Sacramento, se acrescenta a sua serena e alegre esperança. A um certo Luigi Schiboni, quando ele perguntou se ele se salvaria, Elisabetta deu a seguinte resposta: "Duvidas? Não sabes que um Deus morreu por sua alma?". Padre Filippo Tancioni, secretário do Cardinal Soglia que estimou a Venerável como santa, disse que ela "tinha total confiança de salvar-se pelos méritos de Jesus Cristo ... e procurava inspirar em todos essa mesma confiança." Repetia muitas vezes: "Confio no Deus da Misericórdia". Nos momentos de saudade da família na Sardenha exclamava: "Misericórdia, misericórdia". Estas e outras exclamações similares ligadas a vivissíma  fé e a um grande amor a Deus, desenvolveu nela a serena esperança de alcançar o Paraíso.  Portanto, já na Sardenha compôs uma espécie de poesia (Lauda), recitando: " Toda sou  de Deus, toda sou de Jesus. Não posso mais viver longe de Deus.  Jesus é o meu coração  e eu sou Jesus!".  Deste modo sereno, expressava  o seu desejo: "Desejo o céu cheio, o Purgatório vazio, o inferno fechado."

Oração
Ó Venerável Elisabetta Sanna, admiro a tua coragem e a tua constância  em imitar Jesus com fé e serena esperança, mesmo nas situações mais difíceis. Sinto vergonha pelas minhas frequentes incertezas, pela minha preguiça e pela minha incoerência: ajuda-me a tornar-me plenamente responsável pelo dom da fé e a fazer sempre o bem com o espírito cristão, a fim de que o meu próximo possa  mais facilmente unir-se a mim no louvor à Santíssima Trindade. Amém.

Pai Nosso, Ave Maria, Glória
São Vicente Pallotti, rogai por nós!
Venerável Elisabetta Sanna, rogai por nós!




sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Missão Palotina - Pendotiba 2016

No último final de semana, a Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Pendotiba, acolheu cerca de 100 jovens para realizar as missões populares, levando às famílias da região a Palavra de Deus.
Para semear o Evangelho e aumentar nas pessoas a intimidade com Deus, e também mostrar a vivacidade da fé católica, desde a sexta feira pela noite começamos o nosso caminho, iniciando com a celebração do Lucernário, seguimos nutrindo a nossa espiritualidade no encontro com Jesus na Eucaristia, através da adoração ao Santíssimo Sacramento, que ficou exposto na Igreja de São Sebastião, em Pendotiba, durante toda a madrugada, conduzida pelos membros do "terço dos homens" e mais alguns paroquianos, intercedendo pela missão.







Iniciamos cedo nossos trabalhos no sábado, havendo palestras de formação e a celebração da Eucaristia na parte da manhã. Na parte da tarde começaram as visitas às residências encerrando com adoração ao Santíssimo na Igreja de São Sebastião.









No domingo também tivemos um momento mariano na parte da manhã, com a oração do santo terço e mais algumas instruções. Alguns jovens acompanharam os ministros extraordinários da Sagrada Comunhão que levaram a Eucaristia aos enfermos, outros jovens fizeram visita a um asilo da região. À tarde visitamos residencias nas localidades mais próximas da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Fátima, encerrando a missão com o Santo Sacrifício da Missa no domingo à noite.









Certamente os frutos de tal missão não são colhidos somente pelas famílias que receberam as visitas dos missionários, mas por todos os que se empenharam para que acontecesse essa missão popular, pois levar os outros ao encontro com Jesus Cristo nos tornou próximos de diferentes realidades sociais e religiosas de uma única região, trazendo aprendizado de fé e nos fazendo redescobrir nossa vocação e nosso trabalho: missão e apostolado.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Instituição de Leitor e Acólito


No último dia 31 de julho, na Igreja de São Sebastião, em Pendotiba (Niterói), foi celebrada a Santa Missa na qual dois de nossos coirmãos receberam os ministérios de Leitor e Acólito.
O Padre José Rodrigues Filho SAC, superior regional, presidiu a Eucaristia concelebrada também pelos padres Gilmar Simplício SAC, Reitor do Seminário Maior Palotino e Adenilson Gomes SAC, Diretor do Postulado.


O Confrade José Luíz SAC, que cursa o seu sexto ano de formação, recebeu o Ministério de Leitor, e o Confrade Rafael Moura SAC, que está no último ano de formação, recebeu o Ministério de Acólito.



Tais ministérios são conferidos ordinariamente como etapa no caminho para o sacerdócio, e aproximam, segundo suas respectivas finalidades, os seminaristas ainda mais do altar onde, depois de ordenados, celebrarão os santos mistérios.  

O Leitor tem como dever proclamar a Palavra de Deus aos irmãos, buscando sempre conformar sua vida aos ensinamentos das escrituras e servir como exemplo aos demais.




O Acólito passa a servir auxiliando o sacerdote nas funções do altar, devendo zelar nas celebrações por aquilo que nos é mais sagrado, no amor à Eucaristia que, também como ministro extraordinário, distribui aos fiéis. 










 Após a celebração, familiares e amigos puderam cumprimentar os novos Leitor e Acólito em uma pequena confraternização oferecida pela comunidade.