sexta-feira, 24 de março de 2017

Encontro Vocacional de Março

          No último final de semana, dias 18 e 19, aconteceu o nosso segundo encontro vocacional do ano de 2017. Deu-se início com uma oração e logo após fomos para o primeiro momento: O Noviço Felipe nos testemunhou seu período de discernimento vocacional, nos alertou das dificuldades da vida religiosa, mas ao mesmo tempo nos encorajou mostrando que Deus se fez presente em suas crises e não o deixou.
          


          No início da noite, celebrarmos a Santa Missa presidida pelo reitor do Seminário Padre Gilmar SAC. Ao término da Santa Missa, fomos diretamente celebrar a Paixão de Cristo, meditando a Via-sacra, usando a mesma fórmula de Nosso Santo Fundador, São Vicente Pallotti. Em seguida, nos alimentamos e tivemos um momento de convívio comunitário com a participação dos seminaristas e logo após fomos dormir.
          





No dia seguinte, já no despertar, celebramos a Santa Missa do 3° Domingo da Quaresma. Neste último dia de encontro tivemos duas colocações de nossos orientadores vocacionais, os seminaristas Bruno Bauer SAC e Marcelo Rodrigues SAC. O seminarista Marcelo nos exortou sobre a Quaresma como tempo de mudança e conversão. Em seguida, trabalhamos a vocação como dom de Deus, com o seminarista Bruno Bauer.
           Finalizamos o encontro com uma partilha entre os vocacionados, que nos fez digerir melhor tudo o que foi tratado no encontro e em seguida o almoço.

Igor Sales
(Vocacionado)

domingo, 19 de março de 2017

Degraus que levam a Deus


          Nesta última quarta-feira (15), tivemos em nosso Seminário a presença de nosso confrade, Pe. Tadeu Domanski. Ele foi designado para a função de diretor espiritual de nosso seminário, e este foi o nosso primeiro encontro de 2017.

          A Ratio Institutionis da Sociedade do Apostolado Católico nos diz sobre o Diretor Espiritual:  
"O Diretor Espiritual tem a tarefa de estar à disposição dos candidatos para aconselhá-los e orientá-los na vida espiritual e para ouvi-los de confissão sacramental. E para isso, mediante contatos pessoais e apropriadas instruções, ele deve 'iluminar, regrar, santificar, aperfeiçoar', isto é, ajudar os candidatos a discernir os caminhos do progresso espiritual e fazer com que progridam no conhecimento e no amor para com o Fundador e a sua Obra."
          E ainda prossegue sobre a direção espiritual:
" Seguindo a tradição dos primeiros padres do deserto, dos fundadores das famílias religiosas e do nosso santo Fundador, em assunto de disposições para a direção espiritual, (...) Esta direção espiritual, que 'não poderá ser substituída por descobertas psicopedagógicas', deverá ser favorecida com a disponibilidade das pessoas competentes e qualificadas. As principais responsabilidades da direção são: Deus; nutrir a vida deles com sólida doutrina e prática da oração; ajudar a avaliar o caminho percorrido; tornar conhecido e amado o carisma palotino e levar a redescobrir a beleza e a paz do Sacramento da Penitência."
          Pode-se observar a figura de São Vicente Pallotti nesta mesma função, diretor espiritual. São Vicente reconhece a forte importância da formação do clero. O progresso espiritual é de grande necessidade dos tempos para a salvação das almas. Para reavivar a fé e reacender a caridade é preciso que “seja edificante pela doutrina e pela plenitude do espírito verdadeiramente evangélico e apostólico”.

          Pallotti aceitou o cargo de diretor espiritual em diversos seminários. Ele acostumava aconselhar deste modo os seminaristas: “não tenham tanta pressa de chegar à S. Ordenação, porquanto tendes grande necessidade de adquirir santidade e doutrina”. Segundo São Vicente, o Sacramento da Reconciliação é um instrumento de suma importância para o progresso espiritual, com isso, dedicou-se grande parte de seu ministério para com este apostolado.
          Outro ponto que Pallotti destaca sobre a direção espiritual é a humildade. Esta virtude é sublime neste encontro, nosso Fundador ressalta que não somente o diretor ensina, mas também, aprende. O diretor não se pode encontrar em um lugar de superior, somente, ele deve ser um acompanhante acompanhado. Isto significa que tanto o diretor, quanto o dirigido são capacitados a um crescimento mútuo.
          A direção espiritual é um crescimento paulatino, acontece aos poucos, por etapas. Com isso, é importante a avaliação de tal crescimento, para que não regrida no progresso espiritual, para que todo o caminho já percorrido não seja em vão e se tenha a perca de tempo. Para Pallotti, era muito claro a função da direção espiritual, seu cerne era discernir, encaminhar o dirigido e não fazer as coisas no lugar deles. Em suma, a identidade da direção de São Vicente consistia na oração. Esta era o conteúdo para a cooperação na santificação das almas.
          Aprendamos com o nosso Fundador e reconhecemos a importância na dedicação de orientar a nossa alma. Acolhemos com muita alegria o novo diretor espiritual de nossa casa de formação, Pe. Tadeu Domanski. Desejamos que os dons do Espírito esteja contigo para que tenhas todas as graças necessárias para este novo apostolado a ele confiado.

domingo, 12 de março de 2017

#VemDoar

          Ontem (11), foi dia de ação solidária. A Juventude Palotina se reuniu para realizar, novamente, este ano, a doação de sangue. Jovens fizeram um ato voluntário e altruísta que salva vidas. Este tempo da Quaresma também nos ajuda a pensar nesta realidade, deixar de olhar somente para nós mesmos e voltar-se ao próximo.

           COMO É FEITA UMA DOAÇÃO DE SANGUE TOTAL ?


           1- Cadastro: O doador, portando um documento oficial com foto, é cadastrado e recebe um questionário para ser respondido. Esse questionário tem o objetivo de avaliar se há alguma situação ou doença que impeça a doação de sangue, portanto as respostas devem ser sinceras e qualquer dúvida deve ser esclarecida na próxima etapa - a triagem clínica.
2- Triagem clínica: O doador é entrevistado e examinado por profissional de saúde , em local que garanta a privacidade e o sigilo das informações. Esse profissional verifica as respostas do questionário e avalia pessoas com alto risco de transmitir doenças pelo sangue. O doador deve ser consciente de que as suas respostas são muito importantes para garantir a
sua integridade física, bem como a de quem vai receber o seu sangue. A segurança do paciente que recebe transfusão começa com o doador.
3- Coleta de sangue: A coleta de sangue dura no máximo 10 minutos. Todo o material utilizado é estéril e descartável Não há risco de contrair doenças doando sangue.
4- Lanche - após a doação o doador recebe um lanche e informações sobre os cuidados básicos que devem ser tomados após a coleta do sangue.

             TODAS AS PESSOAS PODEM DOAR SANGUE ?

           Há critérios que permitem ou que impedem uma doação de sangue, que são determinados por Normas Técnicas do Ministério da Saúde, e visam à proteção ao doador e a segurança de quem vai receber o sangue.

         Você já doou sangue? Você pode participar doando sangue e/ou divulgando a importância da doação de sangue. Junte seus amigos, tome essa iniciativa e faça a diferença, salve vidas! O Hemorio, por exemplo, atende cerca de 9 mil crianças.



quarta-feira, 8 de março de 2017

Noviço Hugo Magno no Período Introdutório




          No dia 6 de janeiro, chegamos em Cornélio Procópio, PR. Para darmos mais um passo na nossa vocação Palotina. 
          No dia 8 de janeiro, dia em que celebramos a Epifania do Senhor, realizamos com grande júbilo, a abertura oficial do período introdutório. Onde estiveram presentes diversos padres.
          Neste ano, somos convidados a vivermos esta comunhão íntima com o Senhor e vivermos não de um jeito simples, mas, do jeito que nosso fundador São Vicente Pallotti vivia. Nossa vida no Período Introdutório é simples. Nosso tempo é sempre ocupado por momentos de oração, meditação, estudos, trabalho e, um grande e importante momento para nós, que é a vida fraterna. Este local, onde mesmo em nossas fraquezas e misérias, procuramos fazer tudo com maior obediência e perfeição, como pedia nosso pai fundador.
          Em todos esses momentos procuramos viver a imitação de Nosso Senhor. Onde, com a graça de Deus e auxilio de Nossa Senhora, Rainha dos Apóstolos, conseguimos enxergar as nossas e as necessidades dos irmãos. E nesta semana (26 a 03 de março), para infinita glória de Deus, estamos dando início aos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. E através do silêncio,  descobriremos quais são nossas qualidades e fraquezas, e lançá-las sob o olhar misericordioso do Senhor.
Noviço Hugo Magno






segunda-feira, 6 de março de 2017

Retiros de Carnaval

          Nesses dias de carnaval, nossos seminaristas foram enviados para os famosos retiros. Bruno Rodrigues, Bruno Gonzales, Felipe Oliveira e Julio Henrique foram para Itaperuna. José Luiz, Marcelo, Marco Antonio e Fabrício foram para Itaipuaçu. E para Cachoeiras de Macacu, foram os seminaristas Bruno Bauer, Cristiano, Elson e Rafael Rios.
          Segue aqui um pouco da experiência deles nestes dias de retiro...

RETIRO DE ITAPERUNA



          "Mais do que falar do amor de Deus precisamos experimentá-lo" (Santa Terezinha)
          É com essas palavras que eu consigo expressar tudo aquilo que eu vivenciei ao longo desses dias de retiro de carnaval 2017.
         
Meus queridos jovens, coirmãos e equipe, que estiveram junto comigo durante este tempo de graça. Rendo graças a Deus por tudo aquilo que experimentamos juntos nesse retiro, que o Espírito Santo de Deus continue inflamando vossos corações para que testemunhem e vivenciem durante esse tempo quaresmal aquilo que Deus nos concedeu naquele cenáculo de amor.
Esse foi um retiro diferente para mim, pois não somente falei do amor de Deus, como também experimentei. Já fiz vários retiros espirituais de carnaval, mas esse foi diferente, e causou em mim uma “diferença”. Nesses dias na minha imensa miséria Deus me usou de diversas formas, e para diversos fins. Bastou abrir o coração para que as graças, curas, libertações e milagres acontecessem. 
“Vou reescrever mais uma vez minha história de amor com você. Vou derramar o meu Espírito que é amor.” Iniciamos e terminamos o retiro com essa canção. E como isso se tornou uma verdade em nossas vidas; quantas curas recebidas, quantas histórias restauradas, quantos dons foram derramados sobre cada um de nós. Que nunca nos esqueçamos dessa experiência com Deus, na nossa rotina, no dia-a-dia quando as dificuldades nos assaltar, que voltemos aquele cenáculo e busquemos lá novo vigor para nos reanimarmos novamente. Nossas histórias foram reescritas por aquele que é o autor da mesma, portanto não há tempo a perder, Recomecemos novamente com Ele, pois recebemos tudo em dobro de novo, “As visões, profecias, o poder, a unção... Vou recomeçar em Ti um tempo novo.” Tempo de graça, de sermos diferentes, filhos de Deus, homens e mulheres renovados pelo o poder do Espírito Santo.
Deixo aqui uma breve oração que elaborei durante esse retiro, afim de que possamos rezar uns pelos os outros:
Daí-me a graça Senhor de ser: um ferido que cura, aflito que consola, pecador que perdoa, fraco que fortalece, carente que se faz atenção, frieza que doa afeto, solidão que se faz companheiro, amor que acolhe, silêncio que fala, necessitado que intercede.  Pois onde estão tuas feridas, aí está a tua salvação. Assim seja, amém.
                                                           Irmão Bruno Rodrigues Oliveira Sac

Portanto, confessai vossos pecados uns aos outros e orai uns pelos outros para serdes curados. A súplica de uma pessoa justa é muito poderosa e eficaz.” (Tg 5,16).
In Omnibus glorificetur Deus.
RETIRO DE ITAIPUAÇU


          O Retiro de Carnaval Mariano da Paróquia Nossa Senhora de Fátima foi, sem delongas, sensacional.
          Em um primeiro plano, tivemos jovens apenas de duas paróquias: Santuário da Divina Misericórdia e Igreja Matriz Nossa Senhora de Fátima; alguns que já haviam frequentado retiro de carnaval antes e outros não, mas intedependentemente era perceptível a sede do Senhor que todos os jovens tinham.
          Palestras muito bem articuladas, que contavam desde o princípio da história de Maria até o fim. Um tema muito bem escolhido, por conta da celebração de 300 anos de aparição de Nossa Senhora Aparecida e 100 anos de Nossa Senhora de Fátima.
          Os encontreiros conseguiram juntar a Renovação Carismática do vosso grupo e o apego Litúrgico dos jovens do Santuário. Sem esquecer da atenção, comida de qualidade, hospitalidade, seriedade e criatividade vindo da equipe que nos recebeu. Que tornou o encontro ainda mais aconchegante.
          O apego de todos foi tanto que era difícil distinguir quem era da equipe e quem era encontrista. Deram um show. A presença de São Vicente Pallotti irá nítida nas relações entre todos!
          De longe foi a melhor escolha de se passar o carnaval! Junto de Deus e de pessoas carinhosas que tinham os mesmos objetivos foi claramente uma experiência incrível.
Uma gratidão sem fim! ❤


Bruno Loretti


RETIRO DE CACHOEIRAS DE MACACU






          É fácil dizer o que significa o retiro em geral e como podemos ir para lá. Porém, a verdade é que se qualquer pessoa perguntar individualmente para cada um dos que já foram, todos possuem uma história diferente (e comovente) para contar sobre o que significa para eles e como eles chegaram ali.
          O retiro, em si, é uma forma de tirar pessoas do mundo encontrada pela Igreja. Ele reúne pessoas com costumes distintos e as ensinam a viver e partilhar juntas na graça de Deus pelo período do carnaval. Não é fácil, claro, mas sempre vale a pena. Ali nascem amizades e até um caminho verdadeiro para a vida cristã.
          Para alguns jovens, é uma oportunidade verdadeiramente significativa e valiosa, por que muitas vezes é o único contato que eles tiveram com Deus. Em questão de dias, eles têm oportunidade de conhecer e se interessar na Bíblia. Eles têm a chance de ali dentro ser ouvido, ao contrário da negligência que acontece lá fora. São acolhidos e muitas vezes resgatados, apenas se entregando.
          É impossível sair do retiro e nada ter mudado. Eu mesma acreditava nisso, mas, toda vez que eu passava em frente à Igreja, eu sentia vontade de entrar, de conhecer. Dada uma segunda chance, nós devemos nos aproveitar dela, e é isso que o retiro realmente significa, no coração de cada um. Uma segunda chance de sair do mundo e se entregar para Deus.

Ana Caroline Conceição Gomes


          Esses dias foram muito fecundos para cada um de nós. Louvamos a Deus pelas graças concedidas. Por tudo que contribuiu para o nosso crescimento espiritual, humano e pastoral. Roguemos a Deus por cada jovem que conhecemos e acompanhamos nestes dias. Tudo isso foi para a Infinita Glória de Deus, salvação da nossa alma e a do próximo.

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

O Carnaval de São Vicente Pallotti

A festa do carnaval é uma tradição muito antiga em diversos povos. A palavra carnaval é originária do latim, carnis levale, cujo significado é retirar a carne. Tal significado refere-se ao jejum que deveria ser realizado durante a quaresma e também com o controle dos prazeres mundanos. A Igreja Católica buscou então enquadrar tais comemorações, uma forma de evitar os excessos.

            A partir deste contexto, onde se encontrava grandes inversões de valores, encontramos nas Obras Completas de São Vicente Pallotti um “Convite para o Carnaval”:

          Maria SS. Aflita Imaculada Mãe de Deus convida os filhos da Igreja seus devotos a restabelecerem as dores de Jesus Cristo.
Renovai pecadores no carnaval, com atos de virtude e de mortificação.  
A Primeira Dor do Pé esquerdo restabelecida pelos pecadores nos festejos e nas danças.
Ó devotos de Maria!

Reparação:
    1.    Fazer qualquer penitência à maneira de S. Francisco Xavier, que através da dança rodeou-se de aves na altura das pernas.
  2.    Visitar frequentemente o Santíssimo Sacramento, e os mais devotos os altares da Virgem, como fazia nesse tempo S. Bernardo.

A Segunda Dor do Pé direito restabelecida pelos pecadores com os crápulas e as farras.

Reparação:
      1.    Com certa abstinência para imitar Santa Caterina de Sena, que nesses dias jejuava.
      2.    Com uma comunhão particular feita na quinta-feira, dia mais frequentado pelos pecadores. Por isso S. Gertrudes se comunicava neste dia.

A Terceira Dor da mão esquerda restabelecida pelos pecadores com os Espetáculos, e as Comédias.

Reparação:
    1.    Com modéstia, e mortificação extraordinária de olhares como o exemplo de S.  Luiz, que forçado a ir a uma festa, não ergueu jamais os olhos.
2.    Com frequente admiração a imagem do Crucifixo, e ler algum livro espiritual. Assim S. Francisco contemplava por horas o Crucifixo.

A Quarta Dor da Mão direita restabelecida pelos Pecadores nas Vigílias, e nas Conversas malévolas.

Reparação:
1.  Com a introdução de bons discursos às obras pias; como S. Felipe Neri nesse tempo atraia a juventude a oratória.
2.  Com privação de alguma recreação da qual se gosta muito. Por essa razão S. Francisco de Sales se privava de toda diversão.

A Quinta Dor da parede torácica de Cristo renovada pelos Pecadores na repetição dos deleites sensuais.

Reparação:
1.  Com mortificação do corpo, e dos sentidos a imitação de S. Carlos Borromeu, que fazia grande penitência no carnaval.
2.  Procurando com trabalho que outros nesses dias não ofendam a Deus. Para reparar um pecado Santo Inácio imergiu-se em água gelada.
S. Gertrudes em um estado de êxtase viu que Cristo fazia S. João escrever com letras de ouro as belas ações praticadas no carnaval, para lhe remunerar com especialíssimas graças.


A partir deste escrito, observa-se o forte valor do testemunho da vida dos santos. Práticas devocionais que cooperam na santificação da alma, buscando uma vida devota voltada ao serviço de Deus. Nossas práticas não podem ceder aos desejos carnais e ser domada por tais instintos. Que nesses dias de festa, a exemplo de São Vicente Pallotti, possamos viver de forma mais íntegra em louvor e ação de graças pelos dons recebidos, preparando-se para os exercícios espirituais advindos na Quaresma.


 

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Encontro Vocacional de Fevereiro no Seminário Maior Palotino


          Durante o final de semana dos dias 18 e 19 de fevereiro, ocorreu no seminário, o primeiro encontro vocacional deste ano.
          Como é de costume, o encontro foi iniciado com o terço da misericórdia seguido por uma breve apresentação, momento o qual o seminarista Bruno Bauer expôs o cronograma do encontro e nos deu as boas-vindas.
           Logo após uma pequena pausa, o seminarista Marco Antônio fez a primeira colocação do sábado. Ele nos contou sobre o período de sua vida no qual sentiu o chamado à vida consagrada, e como Deus o fez encontrar no doce carisma de São Vicente Pallotti um farol no caminho para a santidade. Sem dúvida, suas palavras foram muito importantes para demonstrar que Cristo é a solução para toda crise existencial e vocacional.
          Com a palestra terminada, seguimos para a capela onde foi celebrada a Santa Missa pelo reitor do seminário, Pe. Gilmar. Às seis da tarde, rezamos o terço mariano e depois foi feito um intervalo nas atividades para o cadastramento dos jovens vocacionados.
          Após o jantar, no momento de tertúlia comunitária, assistimos a um filme. A película escolhida foi “Até o Último Homem”, do diretor católico Mel Gibson, que conta a história real de um cristão que deseja lutar pelo seu país na guerra, mas como médico e sem tocar em nenhuma arma de fogo. A determinação do protagonista em salvar as vidas que são fatalmente perdidas numa guerra, exemplifica como deve ser a atitude de um sacerdote no pastoreio das almas. Terminado o momento comunitário, todos nos recolhemos aos quartos.
          Ao levantar no dia do Senhor, fomos direto para a capela e rezamos o ofício das Laudes. Seguida ao café da manhã, a primeira colocação do domingo foi realizada por um dos promotores vocacionais, o Ir. Bruno Bauer. O seminarista falou sobre os sinais de vocação à vida consagrada e sacerdotal que chamam a atenção na vida dos aspirantes, e nos levou a recordar o motivo pelo qual pensamos que Deus nos chama a essa sublime forma de servir a Ele.
          O seminarista Marcelo foi quem falou na segunda colocação do domingo. Ele dedicou esse momento para contar um pouco sobre a devoção do santo fundador por Maria Santíssima, em harmonia com o ano nacional Mariano por conta dos 300 anos de Aparecida e também com o centenário de Fátima. 
          Ainda tivemos uma partilha em grupo, cujo tema foi a liberdade. Após isso, participamos da Santa Missa dominical celebrada pelo Pe. Gilmar. O encontro deu-se por encerrado após o almoço.
          Foi um final de semana de meditação e reflexão, e também de encontro comunitário. Saímos com a certeza de que fomos chamados por Nosso Senhor a uma missão particular, e aprendemos o que salienta o fundador da Pia Sociedade do Apostolado Católico: “Deus quer que o homem colabore na salvação das almas, segundo suas possibilidades, a fim de que o homem utilize, livremente, todos os dons que ele recebe de Deus como autor da natureza e da graça”.

Leonardo de Azevedo (Vocacionado)